sexta-feira, fevereiro 23, 2024
No menu items!
Google search engine
InícioBrasilPF investiga servidores da Receita por tentar acessar dados de Bolsonaro

PF investiga servidores da Receita por tentar acessar dados de Bolsonaro

Em um dos casos, o servidor, que é irmão da deputada Norma Ayub, acessou as informações do presidente por meio de um terminal localizado no Espírito Santo


BS Bruno Santa Rita – Especial para o CorreioIS Ingrid Soares – Especial para o Correio RS Renato Souza

postado em 05/04/2019 20:04 / atualizado em 05/04/2019 20:26

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
A Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão contra pelo menos dois servidores da Receita que são suspeitos de acessarem ilegalmente dados fiscais do presidente da República, Jair Bolsonaro e de integrantes de sua família. Uma sindicância interna apontou que a consulta aos dados ocorreu sem que existisse qualquer justificativa legal.
As equipes policiais foram até o prédio da Receita em Campinas, no interior de São Paulo e recolheram informações dos computadores usados por um dos suspeitos. Assim que notou as ações dos servidores, o Fisco acionou a PF para investigar o caso.
Além do acesso em São Paulo, a PF investiga o servidor Odilon Ayub Alves , que acessou os dados do chefe do Executivo por um computador na cidade de Cachoeiro de Itapemirim, no sul do Espírito Santo. Ele usou o sistema do Fisco para fazer a consulta.
Continua depois da publicidade

Ele é irmão da deputada federal Norma Ayub (DEM-ES). Ao Correio, a parlamentar informou que Odilon não agiu com intenção de prejudicar o presidente e que o fato ocorreu no ano passado. “Ele não teve maldade. Ele é Bolsonaro, sempre foi, fez campanha. Foi uma ingenuidade. Ele não era nem presidente quando isso aconteceu”, explicou.
Norma contou que a ideia de acessar os dados de Bolsonaro teria começado com uma brincadeira. O servidor, ao atender uma pessoa com o mesmo nome do presidente na unidade onde trabalha, em Cachoeiro, fez a busca em um momento de descontração, segundo informou a deputada. “Ele brincou se o sobrenome do moço era Bolsonaro. Daí veio a ideia”, disse.
“Ele errou de ter acessado o sistema, mas não teve maldade. Ele entrou como um fã, como eleitor. A maior parte da população queria conhecer Bolsonaro na época”, afirmou. Segundo ela, o acontecido foi um caso isolado e não irá gerar grandes repercussões. “Ele só vai prestar um depoimento. Não teve prisão”, ressaltou.
RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -
Google search engine
Google search engine

Most Popular

Recent Comments