segunda-feira, fevereiro 26, 2024
No menu items!
Google search engine
InícioParaíbaArquidiocese da Paraíba diz que procurador violou sigilo de caso sobre exploração...

Arquidiocese da Paraíba diz que procurador violou sigilo de caso sobre exploração sexual

Por G1 PB

 


Arquidiocese da Paraíba, no Centro de João Pessoa — Foto: TV Cabo Branco/Reprodução

Arquidiocese da Paraíba, no Centro de João Pessoa — Foto: TV Cabo Branco/Reprodução

A Arquidiocese da Paraíba afirmou, por meio de nota divulgada nesta segunda-feira (21), que “o Procurador do Trabalho violou explicitamente o sigilo” ao conceder entrevista sobre a condenação, pela Justiça do Trabalho, sofrida pela Igreja Católica na Paraíba a pagar R$ 12 milhões por crimes de exploração sexual. A entrevista foi exibida durante uma reportagem veiculada pelo Fantástico, no domingo (20), que retratou relatos de vítimas, autoridades e outros envolvidos no caso.

O procurador Eduardo Varandas informou que os escândalos sexuais ocorridos na Igreja cCatólica foram reconhecidos por uma sentença judicial que ainda cabe recurso. “O Ministério Público do Trabalho não violou o segredo de justiça, não sabemos a fonte da televisão, não houve entrega de nenhum documento ao Fantástico. O o que ocorreu foi que nós recebemos a comunicação para se pronunciar sobre alguns fatos”, esclareceu.

Na nota, a Arquidiocese informou que não recusou apresentar resposta, mas que cumpriu o que é estabelecido na legislação que impõe o segredo de justiça ao processo.

Também declarou que, após a exibição da matéria – que informou a existência de documentos e depoimentos que foram, em alguns momentos, interpretados – constatou que a equipe de reportagem teve acesso pleno ao procedimento preparatório instaurado pelo procurador.

Além disso, informou que o procurador do trabalho Eduardo Varandas atribuiu à juíza do Trabalho responsável pela decisão “a responsabilidade pela divulgação ilegal de informações protegidas”.

“Eduardo Varandas pinçou trechos de depoimentos prestados sem o crivo do contraditório, omitindo deliberadamente as inúmeras contradições dos depoimentos apresentados perante o Ministério Público do Trabalho e perante a Justiça do Trabalho, para conferir à matéria o enredo que mais interessava e tentar condenar previamente a Igreja Católica, sem a devida análise pela Justiça até a última instância”, diz a nota.

Eduardo Varandas ainda declarou que se “espanta com a grande preocupação da Igreja em invocar uma falsa violação ao segredo de justiça que não ocorreu, ao invés de explicar para a sociedade e provar que abriu algum procedimento contra padres acusados de cometerem exploração sexual. Eu acho que essa explicação a Igreja deve à sociedade paraibana”, declarou.

A Arquidiocese pontuou que vai adotar as medidas necessárias para a apurar as responsabilidades em relação ao desrespeito à lei e à ordem jurídica.

Já em relação aos casos de exploração sexual abordados na reportagem, a Arquidiocese afirmou que um Processo Canônico foi instaurado desde o recebimento da primeira denúncia e que “lutará sempre para combater qualquer prática que atente contra a dignidade da pessoa humana, especialmente daqueles mais vulneráveis”.

Ainda na nota, a Igreja Católica na Paraíba ressaltou que “repele” a acusação de que está manchada, por não haver um processo judicial finalizado, com uma decisão da qual não se possa recorrer.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -
Google search engine
Google search engine

Most Popular

Recent Comments