sábado, abril 13, 2024
No menu items!
Google search engine
InícioJustiçaBolsonaro busca apoio na “velha política” para formar base no Congresso

Bolsonaro busca apoio na “velha política” para formar base no Congresso

Depois de tentar sem sucesso construir uma base com bancadas temáticas, como a ruralista, a evangélica e a da segurança pública, o presidente Jair Bolsonaro vai recorrer aos partidos políticos para tentar garantir os votos necessários para aprovação da reforma da Previdência e outros projetos de interesse do governo. Bolsonaro receberá, nesta quinta-feira (4), lideranças de partidos aos quais tem imputado o rótulo de “velha política”, prática marcada, segundo ele, pelo fisiologismo, a tradicional troca de apoio por cargos e verbas.

Após ser cobrado publicamente pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para que comandasse a articulação política em favor da reforma, Bolsonaro receberá hoje presidentes de seis partidos. Pela ordem: Marcos Pereira (PRB), Gilberto Kassab (PSD), Geraldo Alckmin (PSDB), Ciro Nogueira (PP) ACM Neto (DEM) e Romero Jucá (MDB). Outras cinco legendas serão abordadas na próxima semana: PSL, PR, Podemos, Solidariedade e Pros.

As dificuldades do governo ficaram escancaradas ontem na audiência pública do ministro da Economia, Paulo Guedes, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Dos 25 deputados que falaram, 16 eram da oposição. O ministro ficou exposto às provocações da oposição e acabou se irritando ao fim da reunião, encerrada após bate-boca entre ele e o deputado Zeca Dirceu (PT-PR), que o chamou de “tchutchuca” e “tigrão”.

Como adiantou o vice-presidente Hamilton Mourão, Bolsonaro deve ceder a pedidos de cargos para tentar reforçar sua base aliada, hoje restrita ao seu próprio partido, o PSL, com 54 deputados. Para aprovar a reforma são necessários pelo menos 308 votos. “É óbvio que eles vão ter algum tipo de participação, seja em cargos nos estados, algum ministério. Isso é decisão do presidente”, afirmou.

Entre os partidos procurados pelo presidente estão os que integram o chamado Centrão (DEM, PP, PR, PRB, PSD e Solidariedade), que se instalou em torno da eleição de Eduardo Cunha (MDB-RJ) à presidência da Câmara, gravitando em volta do MDB. O grupo, que chegou ensaiar apoio ao governo, tem criado dificuldades para Bolsonaro e, até agora, não assumiu qualquer compromisso com a aprovação da reforma.

“Vamos jogar pesado na [reforma da] Previdência, porque é um marco. Se der certo, tem tudo para fazer o Brasil decolar”, prometeu o presidente ainda durante a viagem a Israel. “Para que nós tenhamos uma base constituída, precisamos dialogar. Convidar e abrir a porta: é o que a gente está fazendo”, reforçou o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Parlamentares reclamam da demora do governo em liberar cargos de segundo e terceiro escalões. O governo publicou no mês passado um conjunto de regras para o preenchimento dessas vagas. De lá para cá, no entanto, nada evoluiu, o que tem irritado ainda mais os deputados.

fonte congresso em foco

 

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -
Google search engine
Google search engine

Most Popular

Recent Comments