terça-feira, março 5, 2024
No menu items!
Google search engine
InícioMais NotíciasEmpregado discriminado por ser gay receberá indenização de R$ 20 mil na...

Empregado discriminado por ser gay receberá indenização de R$ 20 mil na Paraíba

A homofobia e os crimes cometidos em função da discriminação sexual são temas recorrentes nos noticiários regionais e nacionais, ocupando o espaço policial praticamente de forma diária. A questão também vem frequentando os tribunais trabalhistas, em razão da existência desse comportamento discriminatório nas relações de trabalho. A intolerância manifestada por pessoas preconceituosas vem sendo combatida por todos os meios e instrumentos possíveis, cabendo ao Estado oferecer a proteção adequada às vítimas desse tipo de comportamento doentio.

Quanto a tal tema recentemente a empresa Incoplast Embalagens do Nordeste Ltda. foi condenada no pagamento de indenização por danos morais no valor de 20 mil reais e a rescindir de forma indireta o contrato de trabalho com empregado que comprovou ter sofrido assédio moral por conta da sua opção sexual.

O autor era constantemente discriminado no seu ambiente de trabalho, tendo sido agredido com expressões injuriosas, pichações no banheiro com conteúdo ameaçador a sua pessoa, além de outros insultos, fofocas e exclusão social no trabalho. Não suportando mais as injúrias o reclamante afastou-se do trabalho e pleiteou a rescisão indireta do pacto laboral.

O processo foi julgado pela 7ª Vara do Trabalho de João Pessoa, que condenou a empresa no pagamento 2,5 mil reais por danos morais além de 13º salário e férias proporcionais e adicional de insalubridade, e rejeitou o pedido de rescisão indireta formulado pelo autor.

Ambas as partes recorreram. A 1ª Turma do TRT da 13ª Região, após analisar os recursos, entendeu ser ínfimo o valor da indenização por dano moral e decidiu, por maioria, majorar o valor para 20 mil reais e reconhecer a rescisão indireta do contrato do trabalho, com respectivo pagamento das verbas rescisórias decorrentes dessa modalidade de distrato.

O desembargador Eduardo Sergio de Almeida designado para a redação do Acórdão afirmou: No caso analisado, “o autor foi reiteradamente alvo de piadas de mal gosto no ambiente de trabalho e de tratamento discriminatório em razão de sua sexualidade, inclusive por um superior hierárquico”, tendo levado “os fatos narrados ao conhecimento do empregador, através do líder e supervisor”. A empresa, tendo conhecimento da situação, reuniu alguns dos seus empregados e exigiu respeito ao reclamante, sem contudo adotar providências mais enérgicas e eficazes para coibir o assédio, e não puniu os empregados assediadores. Continuou o desembargador: “Desse modo, comprovado o assédio moral alegado na inicial, patente o descumprimento de obrigação do empregador de zelar pela higidez do ambiente de trabalho, razão pela qual se reforma a sentença para reconhecer que o contrato de trabalho, entre o autor e a empresa demandada, foi rompido indiretamente, por culpa da reclamada (alínea ‘e’ do artigo 483 da CLT)”, concluiu o desembargador.

Quanto ao valor da indenização, o acórdão registra que o valor fixado na sentença além de não indenizar adequadamente os danos padecidos pelo reclamante, não atinge a finalidade pedagógica que deve nortear as condenações em indenização por dano moral, diante dos gravíssimos incidentes envolvendo o reclamante no ambiente de trabalho, devidamente comprovado nos autos, merecendo veemente reprimenda do Poder Judiciário.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -
Google search engine
Google search engine

Most Popular

Recent Comments