segunda-feira, maio 27, 2024
No menu items!
Google search engine
InícioBrasilEstudo alerta para emissões de novas hidrelétricas na Amazônia

Estudo alerta para emissões de novas hidrelétricas na Amazônia

AmazoniaDivulgada em dezembro, a pesquisa empregou um método inédito para calcular as emissões de gás carbônico e metano geradas na formação dos reservatórios e construção das usinas.

A análise apontou uma alta probabilidade de que as hidrelétricas de Cachoeira do Caí (PA), Cachoeira dos Patos (PA), Sinop (MT), Bem Querer (RR), Colíder (MT) e Marabá (PA) gerem emissões comparáveis às de usinas de gás natural, fonte normalmente mais poluente que a hidráulica mas menos poluente que os demais combustíveis fósseis.

Em alguns casos – como os de Sinop e Cachoeira do Caí -, as emissões poderiam até superar as de usinas de carvão, o mais poluente dos combustíveis fósseis.

As emissões em hidrelétricas geralmente ocorrem quando a matéria orgânica presente no solo ou na vegetação submerge durante a formação de reservatórios, produzindo gás metano. Por isso, usinas cujos reservatórios inundam grandes áreas tendem a gerar mais emissões que hidrelétricas a fio d’água (com reservatórios menores e que aproveitam a velocidade natural do rio para gerar energia).

A legislação brasileira atual exige a retirada da vegetação de áreas a serem alagadas. Ainda assim, segundo o estudo, quantidades significativas de matéria orgânica permanecem no solo.

Segundo o governo, hidrelétricas na Amazônia responderão por 85% da potência hidráulica a ser agregada ao sistema elétrico brasileiro até 2022. A região concentra a maioria dos rios brasileiros com potencial hidrelétrico subexplorado.

Níveis de emissões variam

Coautor da pesquisa e doutorando na Universidade Carnegie Mellon (EUA), o engenheiro brasileiro Felipe Faria disse à BBC Brasil que os resultados do estudo ajudam a derrubar a crença de que hidrelétricas necessariamente geram energia limpa, mostrando que os níveis de emissões variam bastante conforme o projeto.

Ele defende que, diante das mudanças climáticas, o governo passe a considerar o cálculo de emissões antes de decidir construir uma hidrelétrica.

Na véspera da última conferência climática da ONU, o Brasil se comprometeu a reduzir em 43% as emissões de gases causadores do efeito estufa até 2030, com base nos padrões de 2005.

Faria diz que o governo também deveria levar em conta no planejamento do setor mudanças nos padrões climáticos e de uso do solo na Amazônia. Ele cita um estudo de 2013 conduzido por pesquisadores brasileiros e americanos, segundo o qual o desmatamento pode reduzir bastante as vazões da bacia do Xingu, afetando a usina de Belo Monte (PA).

Para Faria, hidrelétricas são atrativas no Brasil por, entre outros motivos, terem baixo custo em relação a outras fontes e porque o país tem experiência em construí-las. Por outro lado, diz ele, “boa parte dos tomadores de decisão do setor elétrico foram formados dentro da indústria hidrelétrica, e há por isso um apelo e um lobby muito forte por essa fonte”.

Segundo Faria, o governo poderia ser mais agressivo em criar políticas que favoreçam o avanço das fontes eólica e solar (menos poluentes) e, assim, reduzir a necessidade de grandes hidrelétricas.

Também assinam a pesquisa Paulina Jaramillo, Henrique Sawakuchi, Jeffrey Richey e Nathan Barros.

Fórmula inédita

Hoje as estimativas de emissões de hidrelétricas não são consideradas pelo Ministério de Minas e Energia (MME), que questiona a precisão das medições disponíveis.

Estimar emissões de hidrelétricas antes de elas serem construídas é um desafio porque cada usina e rio tem características singulares, e os modelos já desenvolvidos produziram resultados insatisfatórios.

Para aumentar a confiabilidade das medições, os autores do estudo empregaram uma nova fórmula, que combina dois modelos. Em um deles, que tende a superestimar os resultados, eles usaram dados de emissões de usinas já construídas e os aplicaram aos 18 projetos, levando em conta suas especificidades.

O outro modelo, que subestima os resultados, simulou as emissões com base em fórmulas de degradação de matéria orgânica submersa, cuja quantia foi medida em cada usina a partir de imagens de satélite.

Mesmo ao se levar em conta o modelo que subestima as medições, apenas uma das 18 hidrelétricas – Ferreira Gomes (AP) – apresentou níveis de emissões praticamente nulos, comparáveis aos de usinas eólicas e solares.

Outras dez hidrelétricas – entre as quais Belo Monte (PA), Jirau (RO) e Santo Antonio (RO) – apresentaram padrões de emissões superiores aos de eólicas e solares, mas abaixo dos de usinas de combustíveis fósseis.

‘Desmistificação’

Em nota à BBC Brasil, o Ministério de Minas e Energia diz que estudos iniciados em 2011 a pedido do órgão “desmistificaram que usinas hidrelétricas em regiões tropicais são usualmente fontes relevantes de emissão de gases causadores do efeito estufa”.

Segundo o ministério, as análises de hidrelétricas brasileiras revelaram emissões entre dez e 500 vezes menores que usinas térmicas a carvão, exceto no caso de Balbina (AM). “A energia hidrelétrica existente no Brasil é energia limpa e renovável”, diz o órgão.

O MME afirma ainda que as tecnologias solar e eólica estão em expansão no Brasil, mas são incapazes de substituir “usinas com armazenamento”, como as hidrelétricas. Segundo o órgão, a maioria das novas hidrelétricas na Amazônia opera a fio d’água, gerando menos impactos ambientais que usinas das décadas anteriores.

Fonte: BBC Brasil

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -
Google search engine
Google search engine

Most Popular

Recent Comments