segunda-feira, maio 27, 2024
No menu items!
Google search engine
InícioGovernoGoverno federal vai demitir apadrinhados dos políticos

Governo federal vai demitir apadrinhados dos políticos

Coluna Brasília-DF

Ok, o presidente Jair Bolsonaro abriu o Alvorada para os líderes partidários simpáticos ao governo e que ainda não se consideram base. Mas nada vai se resolver com canapés e boca livre. Muitos líderes foram avisados de que os apadrinhados deles no governo estão para ser demitidos. É que o governo quer acabar com os chamados feudos de cada partido no Executivo, por isso, está disposto a trocar todos aqueles ocupantes de cargos de direção que tiveram indicação política. Nessa linha, Arthur Lyra, líder do PP, perderá a indicação da Codevasf de Alagoas e o próprio líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho, ex-ministro da Integração, verá os técnicos que colocou na Codevasf serem demitidos.

Essa decisão, já comunicada a alguns líderes partidários, foi tomada depois que o governo sofreu a sua primeira derrota na Câmara, semana passada. Ocorre que esse sistema enfrentará resistências. Deputados querem cargos que possam fazer bonito perante as suas bases eleitorais. E quem perder começará essa temporada de votações de mau humor em relação ao governo. Há quem diga que o melhor é deixar passar a votação da reforma da Previdência na Câmara e, aos poucos, mexer nos vespeiros. O governo, entretanto, não quer saber de contornar os problemas políticos com o Congresso e sim enfrentá-los de frente.

Cheque em branco, não!

Quem acompanha passo a passo a relação do governo com o Congresso descobriu por que os deputados decidiram derrubar o decreto que ampliava o número de pessoas com capacidade para determinar sigilo de documentos oficiais. É que as indicações pelos políticos seria feita com base em uma lista tríplice de funcionários de cada repartição ou estatal que tem interesse político. Ou seja,a excelência indicaria alguém que não conhece. A revolta foi geral e deu no que deu.

O livro de Aécio/ Discretíssimo na Câmara, o deputado Aécio Neves (PSDB-MG) se dedica à literatura. Começou a escrever suas memórias políticas. Histórias não faltam, passando por todo o período da redemocratização do Brasil.

A moda pegou I/ Desde que Leila do Vôlei (PSB-DF) dispensou o nome de guerra e adotou o senadora Leila Barros, outros seguiram o mesmo caminho.

A moda pegou, mas nem tanto/ O senador Capitão Styvenson também tirou a patente. Agora é Styvenson Valentim (Rede-RN). O senador delegado Alessandro virou senador Alessandro Vieira (PPS-SE). E, para completar, a juíza Selma, que foi eleita assim, virou senadora Selma Arruda (PSL-MT). Um dos poucos que continua como nos tempos da eleição é o senador Major Olímpio (PSL-SP). Esse é raiz.

E a escola, hein?/ A deputada Bia Kicis (PSL-DF), defensora da escola sem partido, saiu em defesa do ministro da Educação, Ricardo Velez, ontem, no plenário da Câmara, ao dizer que ele se retratou em relação ao slogan do governo nas escolas. Foi aplaudida pelos colegas de PSL quando disse que o PT, ao colocar uma estrela vermelha nos jardins do Alvorada, só tirou mediante decisão judicial.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -
Google search engine
Google search engine

Most Popular

Recent Comments