sábado, abril 20, 2024
No menu items!
Google search engine
InícioParaíbaProrrogado prazo de envio de textos para o livro sobre a...

Prorrogado prazo de envio de textos para o livro sobre a Justiça brasileira

O projeto do CNJ é coordenado pela desembargadora

Fátima Bezerra Cavalcanti, do TJPB

O prazo para o envio de textos que serão selecionados para integrar a edição de um livro que se propõe a retratar a história da Justiça Brasileira, que inicialmente se expira nesta sexta-feira (29), foi prorrogado até o dia 29 de fevereiro de 2016. A informação foi prestada pela desembargadora Fátima Bezerra Cavalcanti, coordenadora nacional do projeto “Poder Judiciário, o ser humano e as histórias de bastidores”, do Conselho Nacional de Justiça/Corregedoria Nacional de Justiça.

A desembargadora Fátima Bezerra, do Tribunal de Justiça da Paraíba, inclusive, expediu Ofício Circular (em anexo) aos tribunais de todos os estados do país dando ciência da prorrogação do prazo em questão. “Para o sucesso do projeto, é importante a participação do maior número possível de magistrados do país”, argumenta a desembargadora.

O Projeto foi instituído no dia 12 de dezembro de 2015, pela ministra do Superior Tribunal de Justiça e corregedora nacional de Justiça, Nancy Andrighi. Em seguida, a ministra expediu Carta Convite endereçada aos juízes brasileiros, na qual convidou os magistrados para contribuírem, com suas experiência, com a edição de um livro que se propõe a retratar com fidelidade a Justiça Brasileira.

Em ato contínuo, a ministra Nancy Andrighhi nomeou a desembargador Maria de Fátima Moraes Bezerra Cavalcanti, do Tribunal de Justiça da Paraíba, para coordenar o Projeto, conforme Portaria em nexo.

Na Carta Convite, a ministra Andrighi ressalta a imensidão do Brasil, as peculiaridades verificadas nas regiões do país, que tem dimensão continental, como forma de ressaltar a importância da colaboração dos magistrados brasileiros para a confecção da obra.

No documento, a corregedora nacional de Justiça faz o seguinte comentário: “Em razão dessa diversidade, a função judicante neste nosso Brasil reserva para o julgador situações inusitadas, momentos imprevisíveis e fatos até mesmo pitorescos, curiosos e engraçados.”.

Fonte: Ascom

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -
Google search engine
Google search engine

Most Popular

Recent Comments