sábado, abril 20, 2024
No menu items!
Google search engine
InícioUncategorizedPesquisadores registram primeiros casos de vírus zika em cérebro de bebês

Pesquisadores registram primeiros casos de vírus zika em cérebro de bebês

Para o virologista Amílcar Tanuri, da UFRJ, um dos maiores especialistas em genética de vírus do Brasil, “o zika nas Américas é uma história em desenvolvimento”. É uma história triste. Faz parte dela a descoberta no fim de semana do zika no cérebro de dois bebês, um deles com microcefalia e o outro com uma devastadora malformação cerebral. Eles morreram logo após nascer. Foram infectados quando as mães estavam por volta da 18ª semana de gestação. E o vírus permaneceu com eles o tempo todo até o nascimento, informou “O Globo”.

Essa é a primeira vez que se mostra o impacto direto do zika sobre o cérebro de bebês no Brasil, o que reforça a tese de problemas congênitos registrados em bebês de mães que tiveram a doença. A pesquisa toda desenvolvida aqui é básica para descobrir como o vírus causa danos e, assim, poder combatê-lo. O poder do zika aumenta, em parte, devido ao desconhecimento. Ninguém sabe como um micro-organismo sem importância se transformou num inimigo letal. “Pobres desses bebês”, lamenta Tanuri, chefe do Laboratório de Virologia Molecular da UFRJ.

A gestação das crianças foi acompanhada pela obstetra e cientista Adriana Melo, do Instituto de Pesquisa Professor Joaquim Amorim Neto, em Campina Grande, na Paraíba. Ela agradece às mães. “Não pudemos fazer nada pelos filhos delas. A medicina não tem ainda como oferecer ajuda. Essas moças tiveram zika. Souberam que os fetos tinham sido atingidos. E perderam suas crianças. Essas mulheres tiveram uma grandeza enorme. Doaram os filhos para que outras mães do Brasil não sofressem o que elas e seus bebês sofreram”, afirma Adriana.

Após o ato de total desprendimento, as moças voltaram para suas casas em municípios pobres do sertão da Paraíba, onde o mosquito continua a infestar as valas de esgoto a céu aberto.

Ainda segundo “O Globo”, o estudo pioneiro ainda está em curso. É realizado pelo grupo integrado por Adriana Melo; Amílcar Tanuri; Patrícia Garcez, do Laboratório de Neuroplasticidade da UFRJ e do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino; Ana Bispo, do Laboratório de Flavivírus da Fiocruz; e Lorraine Campanati de Andrade, do Laboratório de Morfogênese Celular da UFRJ. Tanuri acredita que uma das chaves para o zika afetar tecidos dos fetos e continuar ativo nos bebês até o nascimento é um mecanismo que a ciência chama de reativação.

A gestante contrai o zika e ele não só atravessa a placenta e chega ao feto, quanto se oculta nas células de mãe e filho. Semanas após a manifestação dos primeiros sintomas, como dores e erupções na pele, a mãe sente “a volta do zika”. Tem de novo dores e outros sintomas. Algumas das mães de bebês com microcefalia relataram ter tido zika duas vezes. O pesquisador observa que, mesmo que a mãe não apresente sintomas de “uma segunda zika”, o feto pode continuar a sofrer.

Fonte: Notícias ao Minuto

 

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -
Google search engine
Google search engine

Most Popular

Recent Comments