sábado, abril 20, 2024
No menu items!
Google search engine
InícioDestaquesSuplente de Ricardo Coutinho deixa de declarar avião monomotor ao TSE, diz...

Suplente de Ricardo Coutinho deixa de declarar avião monomotor ao TSE, diz O Globo

O segundo suplente de Ricardo Coutinho, Alexandre Silveira, deixou de declarar um avião monomotor ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com base no cruzamento dos dados oficiais​.

 Em levantamento feito pelo o Globo​, ele está entre os oito candidatos às eleições de 2022 que não declararam à Justiça eleitoral as aeronaves que possuem. (Foto: Divulgação)

O segundo suplente do candidato ao Senado Ricardo Coutinho, Alexandre Silveira, que tem mais de R$ 7 milhões declarados no sistema do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deixou de declarar um avião monomotor.  Em levantamento feito pelo o Globo, ele está entre os oito candidatos às eleições de 2022 que não declararam à Justiça eleitoral as aeronaves que possuem. O levantamento tomou como base o cruzamento dos dados oficiais.

Os helicópteros e aviões estão registrados no nome dos postulantes na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), mas não constam das listas de bens entregues ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Neste ano, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não está divulgando a descrição dos bens dos candidatos, alegando um impedimento pela Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Por isso, mesmo quando os candidatos declaram os bens, é possível verificar o tipo (“aeronave”) e um valor atribuído, mas não se é um helicóptero, jatinho ou avião comercial, por exemplo.

Até o momento, o GLOBO não conseguiu contato com Alexandre Silveira, candidato do PT a segundo suplente de senador na Paraíba que não declarou ao TSE seu avião monomotor; e com o empresário Willian do Potência, candidato a deputado federal pelo União Brasil no Pará que também deixou de declarar um helicóptero.

De acordo com Antônio Ribeiro Junior, advogado eleitoral e membro da Abradep (Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Política), a Justiça eleitoral tem considerado casos de omissão de patrimônio como crimes de falsidade ideológica. A falta de informações pode impactar porque o limite do autofinanciamento eleitoral é calculado com base no patrimônio declarado, inclusive.

Segundo ele, o tribunal tem decidido que a atualização ou desatualização do valor monetário não tem o potencial lesivo para constituir o crime de falsidade ideológica, mas deixar de declarar um valor sabidamente existente pode configurar o crime.

FONTE CLIKPB

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -
Google search engine
Google search engine

Most Popular

Recent Comments